22 de nov de 2011

Dica de leitura: As aventuras de Pinóquio: História de um boneco - Edição Especial - Carlo Collodi

As aventuras de Pinóquio será lançado dia 07 de dezembro de 2011 e a Cosac Naify propõe uma redescoberta da famosa história do boneco de madeira, publicada originalmente de forma seriada num jornal italiano. A editora preparou uma edição especial, limitada a 3500 exemplares que vêm em uma luva e cujo miolo foi impresso com uma cor especial no papel importado GardaPat Kiara, capa dura e impressão em hot stamping.

Esqueça a história simplória do boneco que ao mentir via seu nariz crescer. Tenha as adaptações em livros ou animações (especialmente a da Disney) apenas como vaga referência – a trama original do Pinóquio de Collodi é muito mais complexa, uma narrativa que acontece dentro da barriga de um Peixe-Cão, por cima de uma serpente “cuja pele era verde, os olhos de fogo e a cauda afilada soltava fumaça como uma chaminé”, junto ao papagaio falante do Campo dos Milagres, nas horas de espera na porta da Casa da Fada (enquanto a enorme Lesma desce a escada); a história de como um “pedaço de pau que ria e chorava como uma criança” se transforma em Pinóquio, um dos personagens mais queridos da literatura. No ritmo trepidante de Collodi, ele passa fome, é zombado na escola (embora responda com uma bela cotovelada de madeira), rouba dinheiro e se arrepende (quase) sempre das encrencas nas quais se mete.

Essas são apenas algumas d’As aventuras de Pinóquio, que passaram por gerações de leitores de todas as idades no mundo. Uma fama que, segundo Italo Calvino, “se estende por todo o planeta e em todos os idiomas, a capacidade de sobreviver indene às mutações do gosto, das modas, da linguagem, dos costumes, sem jamais conhecer períodos de eclipse ou de esquecimento”.

A tradução do texto integral de Ivo Barroso mantém o delicioso ritmo de folhetim associado a uma linguagem refinada e límpida do original. No posfácio inédito no Brasil de Italo Calvino, ele comenta o alcance do livro: “Quando comecei a escrever considerei Pinóquio um modelo de narrativa de aventuras; mas creio que sua influência devia ser estudada em todos os escritores de nossa língua”.

As ilustrações exclusivas de Alex Cerveny são uma atração à parte: o artista brasileiro utilizou a técnica cliché verre, do final do século XIX (contemporânea ao livro), na qual se chamusca uma placa de vidro com uma vela e desenha-se rapidamente sobre esta superfície com um objeto pontiagudo. O resultado são imagens oníricas de um Pinóquio nunca antes imaginado.
 


*****
Editora: Cosac Naify
Páginas: 360
Ilustrações: 60
ISBN: 978-85-405-0014-3
Ilustrações: Alex Cerveny
Tradução: Ivo Barroso
Posfácio: Italo Calvino
*****


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.