12 de ago de 2013

Resenha: Easy, de Tammara Webber

Mais uma vez combinei com a foufa Cláudia Charão para resenhar um livro em comum que estamos lendo, dessa vez foi de Easy (Verus Editora, 305 páginas, R$30). Sempre acompanho seu blog, por isso quando dá certo a convido para resenhas duplas. Espero que curtam o livro escolhido e leiam a opinião da Cláudia no blog Concentrófoba!

Quando recebi o livro Easy, de Tammara Webber, não sabia exatamente do que se tratava e o que esperar. Por estar escrito na capa “Ela foi salva por um estranho. Ele às vezes é assombrado por um segredo... Às vezes o amor não é nada fácil...”, pensei que pudesse ser sobrenatural, e confesso que já estou cansada de seres cruéis, criaturas das trevas, que se apaixonam pela mocinha e assim mudam completamente sua forma de pensar e agir.

Pois bem, por algum motivo o livro me chamava, estava curiosa, então fui ler. Resultado: não conseguia largar enquanto não terminei. Não tem nada de sobrenatural. Ao contrário, é tudo muito real!

E era exatamente o que eu estava precisando ler nesse momento, algo diferente das leituras anteriores, que fosse leve, que falasse de amor. Porém, já adianto que esse livro tem partes pesadas também, extremamente sérias.

Já inicia com Jacqueline sofrendo um ataque de um aluno da faculdade onde ela estuda, tentando abusá-la sexualmente. A cena é tão forte, é tão real, que causa angústia, medo. Ela sai sozinha à noite de uma festa, pois seu namorado havia terminado com ela há pouco tempo, está entrando em seu carro no estacionamento e de repente é atacada.

É quando que surge um rapaz misterioso, que a ajuda e evita algo pior, dando muitos socos no sujeito. Porém, numa forma de fuga do que acontecera, ela resolve não contar, não dar parte à polícia sobre o ocorrido. Um erro de muitas mulheres com medo de inúmeros pontos, como se o cara voltar, ou então coisas tão simples e que pesam no coração de quem sofre o abuso, como acabar com a festa que acontece ali perto... Esse pensamento revolta quem está de fora, e é algo que, se não for denunciado, certamente acontecerá com outras pessoas.

O rapaz que a ajuda de repente parece que está em vários dos lugares em que Jacqueline vai. Mas pode ser também que ela nunca tenha notado sua presença, pois só tinha olhos para o ex-namorado, aquele que, por um motivo infantil e totalmente egoísta, termina o namoro de três anos. A questão agora é descobrir quem é esse homem misterioso e qual o seu nome.

Também há cenas quentes, de sexo e amor, que são de uma delicadeza, são tão reais, tão visíveis, de tanta cumplicidade e respeito! O conjunto formou uma história apaixonante, daquelas que deixam saudade. Daquelas que fico com vontade de mais e mais.

A questão da violência sexual volta a ser discutida ao longo de Easy, e é tão forte quanto a primeira vez que acontece. Um tema bastante delicado para se trabalhar e conseguir levar até os jovens de forma que não os deixem com medo da vida, mas que mostre a realidade, e a autora conseguiu encaixar em um livro com a história principal mais leve, o que permite o aviso sem ser didático.

Tammara Webber é, sem dúvida, uma grande escritora, que soube transmitir em texto a delicadeza do amor. Como muitas meninas gostam de ser tratadas, que sonham com o namorado, não digo perfeito, mas certo para elas. Aquela peça que se encaixa.

Easy é apaixonante e sentirei saudades dos personagens.

Serviço
Editora: Verus
ISBN: 9788576862468
Ano: 2013
Páginas: 305
Tradutor: Ivar Panazzolo Junior
Skoob | Verus Editora | Blog Concentrófoba

Sobre a autora
Tammara Webber escreve livros para jovens e adultos. Ela se descreve como uma romântica incorrigível que adora livros com final feliz, porque já existem muitos finais tristes na vida real. Antes de ser escritora em tempo integral, ela foi orientadora acadêmica na Universidade do Texas, monitora de economia, gerente de planetário, atendente de clínica de radiologia e a pessoa mais pálida que já trabalhou num salão de bronzeamento artificial. Tammara se casou com o namorado da época de escola, com quem tem três filhos e quatro gatos.

Leia também
+ Dica de leitura: De volta para Casa – Karen White
+ Dica de leitura: O projeto Rosie - Graeme Simsion

3 comentários:

  1. Oi Celly

    Se eu e as mocinhas somos foufas, quer dizer que posso ainda conhecer um ser sobrenatural que vai contra a sua natureza :D
    Esse lance de decidir não dar queixa é tão comum e preocupante né?
    Nossa as resenhas ficaram bem diferentes, nem comentei a parte quente que viagem a minha, pois curti bastante de como a autora colocou essa parte. Adorei a sua resenha, fez jus a esse livro que amei.

    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hausahusahsuhas, nem pensei por esse lado! =D

      Mas um ser sobrenatural cruel é tão "aiai" rsrsr.

      Curti sua resenha, mostrou partes que não comentei. Nossas resenhas se completam, então será bem massa para quem as ler. =)

      Bjos e obrigada pela parceria de novo ^_^

      Excluir
    2. os sobrenaturais cruéis são mais legais e interessantes, mas os sobrenaturais incoerentes nos fazem rir - algo que também tem seu valor hahahaha

      Sim, ficou muito legal - cada uma foi por um lado. Obrigada também, e até a próxima. Bjuss

      Excluir

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.