21 de out de 2011

Resenha: Gregor - O Guerreiro da Superfície - vol. 1 - Suzanne Collins

Suzanne Collins diz ter se inspirado em Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll, para escrever Gregor, o Guerreiro da SuperfícieEditora Galera Record, R$32,90, 300 páginas –, afinal o menino cai por um buraco e vai parar em outro lugar, bem diferente do seu mundo. Essa passagem fica na lavanderia de seu prédio. Primeiro cai Margaret, ou Boots, sua irmã de dois anos e, para que a mãe não brigasse, pois ele é o responsável pela menina enquanto ela trabalha, ele a segue e cai, cai... O novo mundo fica no subterrâneo, onde se encontram pessoas que dizem viver lá há bastante tempo. Mas também existem outros seres, comuns para nós, porém incomuns em seu tamanho, na estatura de um homem. Ratos, morcegos, baratas e esse inseto faz uma ligação, lembra ao leitor uma grande obra que conta a história de um rapaz que vira um inseto, mas em A Metamorfose de Franz Kafka não está escrito em que se transforma Gregor Samsa, porém se faz implícito na mente de muitos leitores que é uma barata, essa imagem já está fixada. Apesar de Kafka deixar claro que não queria o inseto representado na capa ou em qualquer parte de sua obra para não induzir o leitor, algumas editoras erroneamente o fazem. A Metamorfose é uma história repulsiva, de um jovem que desperta e se vê transformado em um inseto gigante, para vergonha de sua família, que tenta escondê-lo dos olhos dos outros. É uma metáfora sobre mudança e as pessoas à volta terem dificuldade em aceitar o diferente do que a sociedade está acostumada.

Gregor, o Guerreiro da Superfície é um livro juvenil, sem o peso de Gregor de Kafka. O personagem de Collins se vê em meio a uma questão delicada: os subterrâneos têm uma profecia feita pelo primeiro deles morar ali, Bartholomew de Sandwich, para depois convencer outros a também descer e permanecer, diz a profecia que um guerreiro chegará para ajudá-los e Gregor se encaixa em todo o contexto.

O menino, de 11 anos, sempre fora responsável por sua irmã, Boots – chamada assim porque adora brincar com botas –, pois a mãe deles precisa trabalhar fora depois que o marido simplesmente sumiu de suas vidas.Mas nesta louca aventura Gregor, com a irmã, encontra o pai, ele está aprisionado pelos ratos, sendo obrigado a construir objetos que os roedores possam usar contra todos os outros seres. Agora a missão do menino também é salvar o pai.

“Ele nunca conseguia odiar as pessoas por muito tempo, porque sempre encontrava alguma coisa triste na vida deles que ele era forçado a considerar”.

No primeiro livro não conta como ou o motivo dos bichos serem daqueles tamanhos, talvez venha a ser explicado nos próximos volumes. Neste me incomodou um pouco a questão da repetição de palavras e frases mal construídas que poderiam ter sido suprimidas sem afetar o texto.

“Gregor tentou memorizar a canção para poder tocá-la mais tarde para o pai dele no saxofone. O pai dele tocava também. (...) Gregor tinha acabado de começar a ter aulas de sax no colégio quando o pai dele desapareceu.
“O que os ratos estavam fazendo com o pai dele...”

É uma história gostosa, próximo ao estilo de Harry Potter, J. K. Rowling, não com uma narrativa tão aprofundada num mundo fantástico, nem com magia, mas indico para leitores do bruxinho, que provavelmente gostarão de acompanhar a visão Gregor em suas aventuras pelo subterrâneo.

*****
Editora: Galera Record
Tradução de: Edmo Suassuna
ISBN: 9788501081865
Ano: 2008
Título: Gregor the Overlander
Páginas: 300
Preço: R$32,90
*****

Os volumes seguintes são:

Sobre a autora:
Suzanne Collins começou sua carreira escrevendo para programas infantis de TV na Nickelodeon e na WB Kids. Atualmente vive em Connecticut com sua família e dois gatos selvagens que apareceram em seu quintal. Além da série Gregor, também é autora de Jogos Vorazes, Editora Rocco.


4 comentários:

  1. Adorei a resenha! Isso de se transformar em insetos também existe num conto fantástico de Joe Hill em Fantasmas do Século XX.
    Fiquei interessada no livro por causa da resenha, não o conhecia.

    ResponderExcluir
  2. Tati, é bem gosto ler, a história prende. Se você gostar de juvenil, esse é bem indicado =)

    ResponderExcluir
  3. Priscilla Rubia17/02/2012 11:40

    Lendo essa resenha antes da do 2º livro xD Poxa, mas fiquei interessada *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bacana, mas não me empolguei com o 2ª, não.

      Excluir

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.