27 de jul de 2011

Dica de leitura: Tempos de AlgóriA - Richard Diegues

O Universo de Todos os Olhos é para onde todos que sonham são conduzidos pela Inconsciência. Ele existe desde que a primeira criatura pensante fechou os olhos e sonhou, moldando para si um pedaço do um universo em meio ao nada.

Até que em dado momento, o Nada simplesmente deixou de existir...

E em seu lugar as Leis acreditaram que deveria haver Ordem e Equilíbrio, separando o universo em três reinos: o Reino de Todos os Olhos, o Reino dos Sonhos, e o Reino dos Pesadelos.

Milhares de centenas de dezenas de anos puderam ser somados, antes que a Paz se estabelecesse entre as três potências. E a vida no Universo de Todos os Olhos foi seguindo seu rumo, girando ao sabor dos desejos de seus habitantes e dos visitantes adormecidos dos universos vizinhos.

Até que em dado momento, o Nada percebeu que desejava existir outra vez...

E a Paz foi sendo desmantelada a passos largos. Algo ocorria fora do universo, refletindo diretamente sobre ele. Uma catástrofe que ameaçou a vida dos habitantes e de seu Universo!

Somente este universo? Algória!

Apresentação da Obra, pela escritora Cristina Lasaitis

Venha, entre logo, antes que os ventos levem você embora. Não ligue para os móveis revirados. Saiba que eu seria uma melhor anfitriã se ao menos pudesse servir o chá com elegância em meio a um terremoto. Ao ver você chegar, estendi a toalha e coloquei água para ferver, mas os céus se rasgaram, o chão começou a tremer, o vento estourou as vidraças, o lustre caiu e toda a porcelana ficou em pedaços. O clima tem sido assim desde que este livro nasceu na mente do seu autor.

Saiba que temos aqui vários universos; inúmeros, como as portas que não se contam até o último corredor deste castelo. Todos interligados, separados por infinitas distâncias e, ao mesmo tempo, mais próximos entre si do que os gomos de uma laranja. Se meu chão treme, posso adivinhar que o teto de alguém está desmoronando. Se meu coração acelera, sei que o de outrem foi arrancado do peito.

Havia harmonia antes, quando tudo era fácil de entender: as fadas ainda tinham asas, as serpentes eram sagradas e os dragões, ameaças distantes. Lembro que minha avó dizia: “Nunca se meta nos assuntos dos dragões, porque você, além de intrometida, é crocante e rica em vitaminas.” Ela não podia ter me dado um conselho mais sábio. Sugiro que você o guarde também. Vai precisar.

Se tiver coragem para perambular por aí, guiarei você até uma saída – uma das infinitas deste labirinto: o Universo de Todos os Olhos. Não direi que é um lugar seguro, mas a paisagem é bonita se você tiver olhos para ver. É um reino de bravos reis e cavaleiros, de donzelas esquecidas e rainhas intrépidas – e também de dinossauros, duendes, monges, toupeiras de várias cores e monstros que você não gostaria de ver nem como bichos de pelúcia. Se sentir uma estranha familiaridade, não será por acaso: você certamente já visitou o lugar enquanto dormia. Não negue, você é um sonhador!

E não é fácil ser um sonhador. A estrada para os sonhos passa por uma região de inconsciência profunda, onde tudo é escuro e incerto e, ao chegar ao Reino dos Sonhos, você nem sequer lembra por quais paragens teve de transitar. Não é de estranhar que tantas vezes, sem saber, tenha tomado o caminho errado e ido parar no reino vizinho: o dos Pesadelos. Tão próximo e tão diferente, com seus habitantes sibilantes e corredeiras de medo.

Uma vez, o escritor Terry Pratchett descreveu a literatura de fantasia como uma bicicleta ergométrica para o cérebro. Na prática, ela não nos leva a lugar nenhum, mas tem a propriedade de exercitar os músculos que irão nos conduzir a todos os lugares. Não será exagero, portanto, dizer que os leitores de fantasia costumam ter cérebros sarados e sabem enfrentar a realidade sem se apoiar em muletas invisíveis. Todas as formas de literatura têm algo a nos ensinar. O bom livro de fantasia é muito parecido com um objeto fantástico propriamente dito: um portal entre mundos. Como este pelo qual você acaba de passar.

Mas discorrer sobre os porquês da fantasia é o mesmo que tentar justificar um delicioso peru assado com batatinhas sauté – ou aquele chá com biscoitos que infelizmente não posso lhe oferecer, pois o pote se espatifou e as rosquinhas saíram rolando escada acima. O fato é que há momentos em que uma bela história nos é mais necessária do que um prato de comida, não é mesmo? Fantasiamos porque temos fome de fantasia. Precisamos comer um pouco de arroz com ficção todo dia, beber um antídoto contra a rotina, usar um emplastro Brás Cubas contra o tédio; isso, até que venham as noites de gala, quando encontramos um livro muito especial ou assistimos a um grande filme – e assim nos é oferecido um verdadeiro banquete de imaginação, convite para o maravilhamento. Só para atiçar a sua gula, adianto que sua estadia aqui corresponde bem a este caso: um bem-vindo sequestro para o mundo da fantasia.

Garanto que uma grande aventura espera por você nas próximas páginas deste desfiladeiro de letras. Torço para que encontre uma resposta para o grande mistério que chacoalha os mundos de AlgóriA. Vamos, coragem! Desculpe a pressa, mas, para dizer a verdade, nem sei se ainda haverá um castelo aqui quando você voltar. Quem sabe não nos encontraremos de novo outro dia, em outro universo?

Que a Grande Luz ilumine o seu percurso, que a noite devore os seus medos. A passagem está livre. Avante! Começam aqui os Tempos de AlgóriA.


*****
Editora: Tarja
ISBN: 978-85-61541-00-2
Páginas: 220
Ano: 2011
Edição: 1ª 
*****

Sobre o autor:
Richard Diegues é escritor, editor e consultor tecnológico. Atualmente mora na cidade de São Paulo. Autor dos livros: Magia – Tomo I (1997), Sob a Luz do Abajur (2007) e Cyber Brasiliana (2010). Também é organizador e co-autor dos livros Necrópole – Histórias de Vampiros (2005), Visões de São Paulo (2006), Necrópole – Histórias de Fantasmas (2006), Histórias do Tarô (2007), Necrópole – Histórias de Bruxaria (2007), de quatro volumes da Coleção Paradigmas (2009/2010), além de co-autor dos livros Portal Fundação (2009), Livro Vermelho dos Vampiros (2009), Imaginários 1 (2009) e Cyberpunk – Histórias de Um Futuro Extraordinário (2010). Sua obra mais recente é o romance Tempos de AlgóriA (2011). Colaborou com diversos jornais, revistas e sites da Internet, além de participar ativamente de eventos na área de Literatura Fantástica.


Tempos de AlgóriA será lançado no Fantasticon 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.