28 de jun de 2008

Resenha: O retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde

Tamanha beleza só pode despertar o desejo de Basílio Hallward em retratar Dorian Gray para a eternidade. O rapaz é seu segredo, mas o amigo, Lorde Henry, deseja conhecer a pessoa que faz com que o pintor trace tão belas linhas e palavras.

Apresentados, tornam-se amigos quase que inseparáveis, para desgosto de Basílio. Lorde Henry, muito influente sobre o inexperiente Dorian Gray, diz que seria triste se o retrato continuasse sem nenhuma modificação, enquanto o rapaz envelhecerá e perderá toda a sua beleza e juventude, as únicas coisas que realmente importavam a qualquer um, segundo ele e a sociedade em que vivia.

Essa preocupação entre o feio e do belo, interno e externo, leva Dorian a se desesperar e temer.

“Como é triste! Tornar-me-ei velho, horrível, espantoso. Mas este retrato permanecerá sempre jovem. Se ocorresse o contrário! Se eu ficasse sempre jovem, e esse retrato envelhecesse! Por isso eu daria tudo! Daria até a minha própria alma!”
Apaixonado por Sybil Vane, jovem de beleza indescritível, atriz de um pequeno e pobre teatro, Dorian convida os amigos, Lorde Henry e Basílio Hallward, para ver sua bela atuar como Julieta. Porém, para desilusão de todos, e principalmente de Gray, que a havia elogiado demasiado, ela representa mal e sem nenhuma paixão. Dorian, envergonhado e cheio de fúria, diz para a jovem que seu amor fora um erro não quer mais vê-la.

Volta para a casa e se depara – pela primeira vez – com uma horrível expressão que apresenta seu retrato. Mas como uma pintura pode mudar daquela forma? Tudo pode ser efeito da iluminação, acredita.

Chega mais perto. E lembra-se do que desejara no estúdio de Basílio.

“Sim, lembrava-se perfeitamente. Havia formulado um louco desejo de permanecer sempre jovem e de que o retrato envelhecesse; de que sua própria beleza não se maculasse nunca, e de que o rosto daquela tela suportasse o peso de suas paixões e de seus pecados; de que a imagem pintada pudesse ver-se estigmatizada com as marcas da dor e dos pensamentos. E, não obstante, o retrato ali estava com aquele borrão de crueldade na boca”.

Dorian Gray não envelhece. Não sente quaisquer atrocidades que comete ao seu corpo. Torna-se cruel, insensível. É capaz de absolutamente tudo para manter a visão de todos distante de seu precioso e horrível segredo: o retrato que sofre as consequências do desejo pela beleza eterna.

Um texto dedicado à beleza extrema, ao que o cuidado somente ao exterior pode causar a qualquer pessoa, não necessita viver anos ou ter um retrato que sofra por seus atos mais hediondos. Oscar Wilde mergulha na alma de seus personagens e os torna reais, frios e dispostos a tudo pela beleza exterior, alguns mais que os outros. Uma incrível crítica à sociedade da época e tão atual! Recomendado para leitores exigentes e de bom gosto.

*****
Título original: The picture of Dorian Gray – 1891
Páginas: 268
Tradução de Oscar Mendes
Editora Abril – 1980
*****

9 comentários:

  1. Feia faz um blog e nem me conta nada!!! rs. Está ficando demais, bem sua cara! Abraços desse amigo e irmão que te ama tanto!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei morrendo de vontade de ler hein???
    Na verdade meu amigo já ia me emprestar... agora vou falar p/ ele trazer logo!!!

    ResponderExcluir
  3. acho bem legal voce ter um blog. Exercita a escrita e as pessoas podem saber o que voce le e gosta. Gostei. Vou sempre passar por aqui. Keep the dream alive!!!

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha! Seu blog está nos meus sites favoritos... =)
    Espero que a resenha crie novos leitores de oscar wilde...Eu já fiz a minha leitura!
    hehehe
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Michely! Oscar Wilde é ótimo e Retrato de Dorian Gray e maravilhoso. ^.^

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Cara... Tá aki um livro que eu realmente posso dizer que se não for perfeito, chegou bem perto disso! Muito, muito bom mesmo! Lembro-me até hoje da primeira vez que o li. Sem noção, a história incrível, as descrições fascinantes... =]

    ResponderExcluir
  7. Andy, falou tudo! Um dos melhores livros que já li. Até dei o nome de Dorian Gray para meu bichano! ^.^

    ResponderExcluir
  8. Dorian Gray foi o primeiro clássico que li na vida,é um dos meus livros mais amados. Só de ler sua resenha deu vontade de me agarrar com ele de novo.Muito bom o seu blog e sua página lá no Recanto.Vou voltar.Beijão.

    ResponderExcluir
  9. Foi uma boa revisão e especialmente útil. Eu gostei, e logo comprar o livro. O que me fez lembrar da marca nova série chamada Penny Dreadful, uma história que lida com a origem dos personagens literários clássicos como Dorian Gray e Dr. Frankenstein, a verdade é muito bom.

    ResponderExcluir

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.